Janeiro com mais dois homicídios em Caruaru

Pedro Augusto

No primeiro fim de semana de 2020, uma morte a esclarecer e um assassinato acabaram sendo computados em Caruaru. As ocorrências foram registradas no último domingo (5). Após os levantamentos cadavéricos do Instituto de Criminalística, os corpos dos mortos foram encaminhados ao IML local.

Logo no início da manhã, o pedreiro Marcos Antônio Moreira da Silva, de 49 anos, foi morto a tiros, na Rua Projetada, no Loteamento João Barreto. De acordo com as investigações iniciais da Polícia Civil, ele estava trafegando a pé, quando foi assassinado com cerca de 15 disparos de pistola ponto 40. Marcos tinha deixado a Penitenciária Juiz Plácido de Souza havia dois meses, onde cumpriu prisão por quebra de medida protetiva em processo com base na Lei Maria da Penha.

Segundo o filho do pedreiro, Josemberg Brás da Silva, quando bebia, ele ficava nervoso e costumava brigar com outras pessoas, entretanto afirmou desconhecer qualquer desavença que tenha ocorrido recentemente envolvendo o seu pai. O crime tem características de execução e a polícia já se encontra investigando a motivação.

Na sequência do domingo, o corpo de um homem em estado avançado de decomposição acabou sendo localizado, à tarde, num matagal que fica entre o Bairro Morada Nova e o Loteamento Novo Cedro. O detalhe é que o cadáver encontrava-se sem a cabeça, o que reforçou, de início, a hipótese de que o homem teria sido assassinado. Devido ao difícil acesso, o corpo dele só foi resgatado, já com o crânio, na manhã da segunda-feira (6).

Encaminhada para o IML, a vítima acabou senda identificada como Antônio Cabral dos Santos, de 57 anos. O popular possuía transtornos mentais e teria se embrenhado no matagal, sem conseguir deixar o local. Ele estava desaparecido desde o fim de outubro do ano passado, quando teria saído sozinho de casa.

Uma campanha de recompensa do Disque-Denúncia Agreste chegou a ser veiculada na imprensa a fim de que informações sobre o paradeiro de Antônio fossem repassadas. Durante o levantamento cadavérico, o IC não encontrou nenhum sinal de violência que levantasse a hipótese de homicídio, mesmo com a cabeça do idoso sendo encontrada descolada do corpo.

Salgado

Em paralelo às duas ocorrências computadas no último domingo, na sequência da semana, mais um assassinato aconteceu na Capital do Agreste. Na noite da quarta-feira (8), o ex-presidiário Cícero Correia da Silva, o “Lico”, de 36 anos, foi morto a tiros, no cruzamento que fica entre as ruas Martins Francisco e Alexandrino de Alencar, no Bairro do Salgado.

De acordo com informações repassadas por testemunhas, a vítima encontrava-se na companhia de um amigo, quando foi surpreendida por dois criminosos numa motocicleta, que efetuaram vários disparos na sua direção. Na tentativa de buscar socorro, Lico chegou ainda a correr por alguns metros, porém morreu antes da chegada da unidade do Samu.

Ele já havia sido preso por várias vezes devido ao seu envolvimento com o tráfico de drogas, mas, atualmente, estava trabalhando como catador de recicláveis. Após o levantamento cadavérico do Instituto de Criminalística, o corpo do ex-presidiário foi encaminhado ao IML. Até o fechamento desta matéria, a Polícia Civil já havia registrado quatro homicídios, neste ano, na cidade.

PUBLICIDADE

Comentários