Gravatá Jazz: Artistas cobram pagamento de cachês

PUBLICIDADE

Wagner Gil

Este ano a cidade de Gravatá, distante a pouco mais de 80km do Recife, realizou um dos maiores e mais importantes festivais de jazz e blues de sua história, com uma participação incrível do público. Todos os dias o principal polo de animação esteve lotado, assim como a rede hoteleira, que chegou a 100% de sua ocupação. Outro detalhe positivo foi que uma pesquisa da Empresa Pernambucana de Turismo (Empetur) apontou Gravatá como a cidade que mais recebeu novos turistas durante o Carnaval, graças justamente ao Festival de Jazz e Blues.

Nos quatro dias do evento, que ocorreu de 21 a 25 de fevereiro (período de Carnaval), apresentaram artistas nacionais e internacionais, mas o pagamento que é fundamental para a maioria dos artistas ainda não saiu, fazendo com que alguns nomes do festival fossem às redes sociais cobrar ao prefeito Joaquim Neto (PSDB). Vale lembrar que nesse período que o país enfrenta a pandemia do novo coronavírus, a classe de músicos é uma das mais prejudicadas no país, já que todos os eventos com presença de público foram cancelados.

De acordo com informação repassada a nossa equipe de reportagem, pela maioria dos artistas ouvidos, a data de quitação do débito para o pagamento dos seus cachês seria no máximo até o dia 12 de março. Agora, depois de dois meses das apresentações, os artistas não sabem quando irão ter acesso ao que lhe é de direito: o pagamento pelo serviço prestado.

Um dos destaques do Gravatá Jazz 2020 foi às redes sociais. “No nosso caso, somos músicos que só recebemos quando tocamos, quando desempenhamos nossas funções. Com todos os estabelecimentos fechados, fica impossível de gerarmos nossa tão necessária renda”, argumentou Ebel Perrelli, em seu Facebook. “Sendo assim, além de depender de subsídios do governo para tentarmos superar esse difícil momento, se torna fundamental recebermos o pagamento por serviços prestados antes do aparecimento dessa crise”, completou Ebel, que é considerado um dos melhores bateristas do Estado.

O pernambucano disse ainda que entrou em contato com a produção do festival. “O prazo máximo do pagamento acertado foi no dia 12 de março, data essa que a prefeitura não honrou e não deu nenhuma previsão de pagamento até o momento”, reclamou Ebel. Segundo ele, os produtores informaram que só poderiam realizar o pagamento quando recebessem o repasse do prefeito Joaquim Neto.

O mineiro Bruno Marques, que é considerado um dos melhores guitarristas de blues do país e se apresentou este ano no Gravatá Jazz, falou com nossa equipe de reportagem e lembrou que muitos gestores alegam a pandemia para não honrar contratos. “É justamente por causa da crise do Covid-19 que a administração pública precisa honrar os seus compromissos financeiros, principalmente com uma das classes mais atingidas, que é a dos músicos. Nesse momento de pandemia estamos absolutamente sem trabalho e sem renda. Nada mais justo do que recebermos pelos trabalhos já realizados. Não estamos pedindo uma ajuda, estamos apenas pedindo o que nos é de direito”, disse Bruno Marques.

Atrasos constantes

Nossa reportagem ouviu alguns artistas que se apresentaram nos últimos dois anos no Gravatá Jazz Festival. Eles afirmaram que chegaram a esperar quase um ano para receber. Foi o caso de Igor Prado, que se apresentou em 2018 e só teve acesso ao seu cachê 11 meses depois, ou seja, quando estava prestes a acontecer mais um evento. “Isso é uma falta de respeito com os artistas”, desabafou.

Dentre os nomes que não receberam este ano, estão Rodrigo Morcego, Live Moraes, Bruno Lee, Artur Felipe e Ryvson. “É uma situação muito, muito complicada. Não é a primeira vez que Gravatá atrasa nosso pagamento. Voltamos para fazer o festival porque acreditamos nos produtores. Mais uma vez a prefeitura não honra com sua parte e nos decepciona”, disse um artista que pediu para não ter seu nome revelado.

Alguns deles temem a exposição na imprensa. “Alguns gestores demoram mais ainda quando o artista vai à Imprensa cobrar seu direito e acabam demorando mais ainda para efetuar o pagamento”, completou um músico paulista que pediu para não ter seu nome revelado.

Prefeitura se justifica

A Prefeitura de Gravatá alegou que o atraso no pagamento ocorreu devido a investimentos para atender as necessidades do município causadas pelo novo coronavirus. Em nota, Joaquim Neto diz que reitera ‘o compromisso e valorização que sempre foi dada aos artistas’, alegando que devido à pandemia da Covid-19 iniciada pouco tempo depois do Carnaval, ainda não foi possível efetuar o pagamento do cachê dos artistas da forma que sempre faz ‘todos os anos’.

Na nota, a Prefeitura de Gravatá diz que a previsão era de efetuar o pagamento de todos até o dia 20 de março (os músicos dizem 12), o que precisou ser alterado, devido ao momento que o município vem passando. “Os recursos estão sendo destinados a investimentos na saúde, uma forma urgente e necessária de tentar frear os impactos causados pelo novo coronavírus, seguindo o Decreto de Calamidade Pública 015/2020”. A prefeitura finalizou a nota reforçando ‘respeito a todos os artistas construído desde o início da gestão’.

Nossa reportagem tem acompanhado a situação da Covid-19 em Gravatá. Até o final da tarde da última segunda-feira (27) haviam sido registrados apenas cinco casos confirmados e apenas um óbito.