Caruaru e Bezerros terão limitações nas atividades comerciais

PUBLICIDADE

O Governo de Pernambuco decretou, nesta terça-feira (23), a restrição do funcionamento das atividades econômicas nos municípios de Caruaru e Bezerros (ambos no Agreste) aos serviços essenciais, do dia 26 de junho ao dia 5 de julho. Serão dez dias em que as populações das duas cidades só poderão sair de casa para ir a supermercados, farmácias, padarias, postos de gasolina e serviços de saúde. Nos dois municípios também será permitido, ao longo desses dez dias, o funcionamento das atividades industriais, da construção civil (com 50% da capacidade) e de restaurantes para delivery.

Enquanto o Estado tem reduzido o número de casos e óbitos por causa da Covid-19, a região registrou aumento expressivo na disseminação da doença. Os dois municípios foram responsáveis por 71% do aumento de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) no Agreste, na última semana. A região Agreste pulou de 267 para 358 casos de Srag na última semana. Em Caruaru, o salto foi de 97 para 152 casos. No município de Bezerros, o avanço foi de 27 para 37 casos.

“Nossa decisão é de limitar as atividades naquela região de Caruaru e de Bezerros o máximo possível. Apenas as atividades essenciais estarão liberadas e nós vamos fazer uma restrição nas atividades comerciais, visando reduzir a circulação de pessoas ao máximo. Temos que reforçar o fique em casa para que a gente tenha um resultado positivo. Queremos uma redução do R, ou seja, da velocidade de crescimento de casos naquela região. Menos casos graves, menos solicitações de UTI, preservando a saúde e a vida dos moradores tanto de Caruaru quanto de Bezerros”, afirmou o secretário estadual de Saúde, André Longo.

André Longo ressalta a importância da colaboração dos munícipes e do poder público local nesse momento. “É fundamental a integração de ações do Estado com os dois municípios e também que a população entenda que este é um momento de reforçar o cuidado com a transmissão do vírus, evitando mortes e preservando a saúde das pessoas”, disse o secretário, que na segunda-feira (22) havia criticado o funcionamento de lojas do comércio não essencial que estavam abertas em Caruaru mesmo sem autorização, uma vez que o município teve o Plano de Convivência das Atividades Econômicas com a Covid-19 estacionado. Outro ponto de preocupação é a falta de ordenamento e a aglomeração na feira da sulanca.

 

Folhape