Estátua de Reginaldo Rossi é inaugurada no Centro do Recife

PUBLICIDADE

Reduto da boemia e poesia recifense, o Pátio de Santa Cruz, área central da Capital pernambucana, conta agora com uma estátua dedicada ao cantor dos desencontros, das ilusões, dores e desamores comuns aos relacionamentos: Reginaldo Rossi. A homenagem ao Rei do Brega faz parte do Circuito da Poesia, que possui 18 esculturas espalhadas, em tamanho real, de artistas da literatura e da música local. A Prefeitura do Recife realizou uma cerimônia simbólica de inauguração do equipamento, nesta terça-feira (2).

“A história dele se mistura com a história da cultura do brega, da boemia da noite recifense. Ele foi um verdadeiro ícone, era um homem de vanguarda, de um jeito muito irreverente, e eu tenho certeza que aqui vai estar bem representado. Certamente esses dois bancos ao lado da estátua ficarão pouco tempo vazios. Devem passar a maior parte do tempo ocupados por aqueles que vão lembrar a história de Reginaldo Rossi”, ressaltou o prefeito João Campos (PSB). De acordo com a Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana (Emlurb), responsável por instalar a estátua, o investimento no equipamento foi de aproximadamente R$ 35 mil reais.

Segundo Sandro Nóbrega, empresário do cantor durante 25 anos, o clima boêmio do Pátio de Santa Cruz, tem tudo a ver com o artista. “Eu acho que a boemia tem a ver com Reginaldo, que era um cara boêmio e gostava da noite. A noite para ele era o dia para uma pessoa normal”. Sobre a homenagem, o empresário afirma que é uma forma de eternizar a obra do cantor. “Toda vez que terminava algum show, ele cantava ‘Recife Minha Cidade’. Então ele amava muito isso aqui. Eu acho que é uma obra fantástica que eterniza a obra dele e as pessoas podem tirar foto”.

O arquiteto e escultor, Demetrio Albuquerque, responsável por criar a estátua, que tem 1,50 m de altura, recebeu com surpresa a repercussão. “Eu tenho recebido pelas minhas redes sociais, uma menção de apoio e parabenização, que eu nunca tinha recebido. Fiquei surpreso com a popularidade de Reginaldo Rossi e o quanto ele é querido na cidade”, conta.

“Tem sido uma repercussão e um apoio muito grande das pessoas sobre a colocação da estátua. Então eu fico contente porque exatamente, a gente quer acertar, quer que ela tenha uma receptividade. A gente faz em nome da pessoa, do homenageado, e para mim é uma honra estar sendo responsável por essa homenagem da cidade para um cantor muito importante”, acrescenta o escultor.

Ledo Silva, vocalista da banda The Rossi, que dá continuidade à obra do artista, afirma que o legado de Reginaldo Rossi está vivo. “O legado continua com a The Rossi, prova mais uma vez que o rei não morreu, como sempre. Estou muito feliz por essa homenagem, uma alegria muito grande. A gente continua fazendo esse trabalho de divulgação das músicas de Reginaldo e agora também fica materializado ali com essa estátua maravilhosa, provando mais uma vez que o rei não está morto”.

Com os olhos marejados e com uma caixinha de som nas mãos, o fã Jorge Batista, aposentado de 65 anos, que acompanha a carreira de Reginaldo Rossi desde 1976, conta que foi à inauguração prestigiar o ídolo. “Eu vivia pelas danças e criei uma coleção de Reginaldo Rossi. As músicas dele, as letras, eu fui olhando e colecionando os LPs e CDS”. Para mim representa muita coisa. Vim de Brasília Teimosa passar a tarde aqui para colocar uma música e relembrar”.

Em entrevista por telefone, o filho do cantor, Roberto Rossi, 42 anos, se sentiu honrado pelo reconhecimento ao trabalho do pai. “Principalmente quando essas homenagens partem da cidade que ele tanto amou, cantou e ajudou a divulgar mundo afora. Em 2017 foi produzido e lançado um documentário contando sua história, pouco depois uma rodovia que nos leva ao Litoral Sul foi batizada com seu nome e agora o lançamento dessa estátua dentre tantas outras homenagens que ele recebe. Acredito que, onde quer que ele esteja, ele está muito feliz com toda essa demonstração de amor por parte dos seus fãs e sua amada cidade”, finaliza.