De seis a sete reforços: Náutico define as metas para início de 2021

PUBLICIDADE

Ainda sem confirmar reforços ou mais renovações para o início da temporada, o Náutico definiu quais são as prioridades no mercado para montar o elenco de olho o início do Campeonato Pernambucano 2021, que começa no dia 28 de fevereiro. O Timbu pretende trazer de seis a sete peças, a depender da resolução de algumas situações, como o caso da negociação envolvendo a permanência do goleiro Anderson.

Um dos destaques do Náutico na reta final da Série B do Campeonato Brasileiro, Anderson é a prioridade do clube na renovação para 2021. Caso o Timbu consiga negociar um novo empréstimo com o Athlético, clube que detém os direitos econômicos do atleta, o número de reforços cairia para seis. Os pernambucanos querem ainda um lateral-esquerdo, um zagueiro, um volante, um meia e dois atacantes de ponta.

Na lateral esquerda, a ideia é trazer uma jogador para disputar posição com Kevyn. O prata da casa, inclusive, também negocia renovação com o Náutico, algo que deve ser definido nos próximos dias. Na zaga, o técnico Hélio dos Anjos indicou que o clube está atrás de um defensor para compor o setor após a saída de Rafael Ribeiro, emprestado ao Fluminense. Ronaldo Alves, Camutanga e Carlão são os únicos zagueiros no momento. A tendência, porém, é que um atleta das categorias de base suba ao profissional para fechar o número de cinco peças na posição.

Na cabeça de área, o Náutico vai buscar no mercado um volante de maior força física. Vale citar que estão de saída do Timbu os marcadores Trindade e Renan Foguinho, ambos com vínculo encerrado no final de janeiro. Da posição, ainda estão no elenco Rhaldney, Djavan, Jhonnatan e Bustamante. No meio, a ideia é buscar um articulador, tendo mais alternativas além de Jean Carlos – Dudu e Marcos Vinícius também terminaram contrato e não ficam. Na frente, o Timbu quer dois atacantes de “força”. Álvaro, que passou boa parte da temporada se recuperando de uma lesão no joelho direito, interessa aos pernambucanos. O entrave, porém, é o Internacional, dono dos direitos do jogador.

Folhape