Homem vende celular por R$ 1,6 mil e recebe notas falsas

PUBLICIDADE

Um auxiliar administrativo de 25 anos, morador de Maranguape II, em Paulista, Região Metropolitana do Recife, recebeu R$ 1,6 mil em notas falsas de R$ 100 ao vender um celular da marca Xiaomi em um site de vendas.

O caso ocorreu na última quarta-feira (10) e foi divulgado nesta segunda-feira (15) pela Polícia Federal (PF), que alerta para esse tipo de golpe com uso de cédulas falsas.

Somente nas últimas duas semanas, quatro vítimas procuraram a polícia relatando terem recebido o pagamento por produtos expostos em sites de vendas com notas falsas.

De acordo com a PF, nesse tipo de golpe, o comprador, geralmente, envia uma pessoa para o encontro do vendendor e efetua o pagamento com as notas falsas, causando transtorno e prejuízo financeiro.

No caso do auxiliar administrativo vítima do golpe, o comprador repetiu esse modus operandi: entrou em contato, mas avisou que quem iria receber o celular seria uma suposta sobrinha.

A entrega do celular ficou combinada para o TI Pelópidas Silveira, em Paulista. No local, o comprador recebeu 16 cédulas de R$ 100, todas falsas.

“A vítima só se deu conta de que as notas eram falsas quando se dirigiu até um estabelecimento comercial e tentou fazer uma compra, onde ficou constatado de que todas as cédulas eram falsas”, detalhou a PF em comunicado.

Em um segundo caso revelado pela PF, a vítima colocou à venda um celular por R$ 600. Um motoqueiro foi ao seu encontro para receber o produto, entregou o dinheiro e saiu rapidamente.

A vítima percebeu apenas após a saída do comprador que havia recebido o pagamento em seis notas de R$ 100, todas falsas.

Repasse de notas falsas é crime previsto no artigo 289 do Código Penal Brasileiro. As penas variam de três a 12 anos de reclusão, além de multa.

Dicas de segurança para evitar o recebimento de notas falsas

Conheça bem a nota verdadeira
Geralmente pessoas que lidam diariamente com dinheiro, como os caixas de banco e comerciantes, sabem facilmente identificar uma nota falsa – essa experiência em manusear diariamente o dinheiro verdadeiro faz com que eles se tornem especialistas em identificar notas falsas.

Antes de entregar o objeto colocado à venda em sites, verifique se as notas são verdadeiras
Os criminosos sempre alegam pressa ou indisponibilidade de comparecer no encontro marcado para pegar o objeto vendido em sites de compra e venda. Quando marcar um encontro com quer que seja para entregar o bem que está vendendo, não tenha pressa na conferência das notas e só entregue a mercadora depois que tiver a certeza de que as notas são autênticas. Verifique principalmente se a numeração das notas não são repetidas, caso receba várias cédulas de igual valor.

Comerciante: não tenha pressa no atendimento
Geralmente, essas notas são passadas em locais de grande concentração de pessoas, feiras, lojas, supermercados, comércio ambulante, e muitas vezes a pressa do comerciante para atender um maior número de clientes faz com que ele não tome o devido cuidado em verificar a nota que está recebendo.

Verifique se as numerações das notas são iguais
Ao receber duas notas de igual valor verifique se as numerações não são iguais, os falsários não costumam fazer notas falsas com numeração diferente porque isso acarreta em custos com impressão por ter que mudar a matriz da impressão.

Observe a textura da nota
Outra cautela que pode ser tomada é reparar na textura do papel das notas que estão sendo recebidas, as notas falsas tendem a ser lisas, enquanto as notas verdadeiras são ásperas e possuem um alto relevo e saliência nos itens de segurança que pode ser percebido pelo tato. Sinta com os dedos o papel e a impressão.

Observe a impressão da nota
Nas cédulas legítimas, as tonalidades de cores são firmes – as notas falsas têm cores com pouca nitidez e costuma haver borramento das cores.

Verifique a marca d’água da cédula colocando-a contra a luz

No caso de dúvida, compare uma nota suspeita com uma nota verdadeira

Baixe o app grátis Dinheiro Brasileiro em seu smartphone
O aplicativo que foi desenvolvido pelo Banco Central não analisa a autenticidade da cédula, apenas ajuda a identificar, conhecer e onde se encontram os itens de segurança tais como: fio de segurança, quebra-cabeça, microimpressões, marca d’agua, número escondido e que muda de cor, alto relevo, elementos fluorescentes.

Folhape