Alegando falta de pagamento, Kevyn entra com ação na Justiça para rescindir com o Náutico

PUBLICIDADE

O lateral-esquerdo Kevyn entrou com ação contra o Náutico na Justiça do Trabalho, obtendo liminar para ficar livre no mercado. O jogador pede a rescisão do contrato e alega falta de pagamento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) desde sua primeira passagem pelo clube, até 2018 (ele voltou no ano passado).

A reportagem do ge apurou que o jogador, que tem contrato com o Náutico até o fim de 2021, teria recebido proposta do CSA, com salários quatro vezes maior do que o que ele recebe no Timbu.

O jogador estava em processo de negociação para renovar seu contrato, mas ficou insatisfeito (assim como as pessoas que cuidam da sua carreira) com as condições oferecidas pelo Timbu. Eles esperavam reajuste maior no salário de Kevyn, que chegou ao clube pelo que o staff do atleta considera um valor muito baixo.

– A gente chegou a essa conclusão porque Kevyn é um jogador que tem uma história muito grande com o Náutico. A gente não vê o Náutico valorizando o menino, retribuindo da mesma forma que faz com outros jogadores. A gente chegou nessa decisão porque acha inadmissível o salario que Kevyn ganha hoje. Incompatível com a realidade do mercado hoje, um jogador de Série B ganhando esse valor de três mil reais por mês, morando em concentração, é uma coisa absurda, mesmo assim o Náutico não paga o FGTS do menino, justificou o agente do lateral, Paulo Braziliense.

A reportagem apurou ainda que o jogador hesitou para entrar com a ação por temer a reação da torcida e por conta do técnico Helio dos Anjos e seu filho, Guilherme dos Anjos, auxiliar técnico alvirrubro.

Kevyn é grato a ambos, que lhe deram oportunidade quando havia críticas a respeito de seu futebol, fazendo dele titular e peça importante na permanência do Timbu na Série B do ano passado.

Até a publicação do texto, o Náutico não havia respondido os questionamentos do ge.

Globo Esporte