Fazendeiro que matou eletricista da Celpe é preso no Maranhão

PE- RECIFE - 19/02/2020 - Vida Urbana - Os servicos de socorro terao reforco de equipes durante o periodo de carnaval. Corpo de Bombeiros, servico de atendimento movel de urgencia (SAMU) e ainda a Companhia energetica de Pernambuco (Celpe) adiantaram algumas das estrategias que serao utilizadas durante os dias de momo, nesta quarta-feira (19) Foto : Leandro de Santana/ Esp.DP FOTO
PUBLICIDADE

O homem que assassinou o eletricista da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe),  José Reginaldo de Santana Júnior, 31 anos, em Setembro de 2020, foi preso na manhã desta quarta-feira (14), no estado do Maranhão. O funcionário foi morto enquanto realizava o serviço da suspensão do fornecimento de energia por inadimplência em um haras de Limoeiro, no Agreste de Pernambuco.

A Polícia Civil de Pernambuco confirmou a prisão do fazendeiro, proprietário do Haras Vovô Zito, Sebastião Ayres de Assis Neto, conhecido como Neto Santos, que estava foragido. Nesta quinta-feira (15), em uma coletiva de imprensa, serão repassadas mais informações pelos delegados Herbert Martins e Fabrício Pimentel, sobre a prisão do homem.
Relembre o caso
O assassinato ocorreu por volta das 16h, depois que dois funcionários da companhia chegaram para fazer o desligamento autorizado pela Celpe por falta de pagamento. Segundo informações da polícia, o proprietário do local ficou insatisfeito com o corte e disparou sua arma contra um dos funcionários, que morreu no local- a dívida já estava em R$ 28 mil. O fazendeiro obrigou o outro funcionário, de 39 anos, a religar a energia. Em seguida, forçou o trabalhador a entrar na mala do carro da Celpe.
Em parceria com o Disque Denúncia Agreste, a Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) chegou a oferecer uma recompensa de até R$ 20 mil para quem passasse informações que levassem à localização do assassino. O fazendeiro é reincidente em práticas criminosas e responde por outros delitos e, inclusive, já foi condenado com sentença transitada em julgado por receptação e posse ilegal de arma, crimes previstos no Código Penal Brasileiro.
Diario de Pernambuco