“Não apresentava sinais de violência”, diz delegado sobre morte de médico

Delegado deu entrevista ao repórter Adielson Galvão Foto: Reprodução
PUBLICIDADE

Pedro Augusto

Em entrevista ao repórter policial, Adielson Galvão, a Polícia Civil de Caruaru, através do delegado de plantão, Eduardo Sunaga, comentou a respeito da morte do médico Eriksson Magno Pereira, de 40 anos. O corpo dele foi encontrado, por volta das 6h de hoje, em um dos banheiros do Hospital Mestre Vitalino.

De acordo com o policial, o cadáver não apresentava sinais de violência. “Ele estava sentando no vaso sanitário do banheiro, encontramos um instrumento junto ao seu corpo, não apresentava qualquer sinal de violência, entretanto só o laudo pericial do Instituto Criminalística, é quem irá apontar a causa morte dele”, explicou Sunaga.

Segundo ainda o delegado, não está descartada a hipótese de suicídio. “Exatamente. Os exames periciais são que irão constatar se ele fez uso de algum medicamento, ou seja, a causa da morte. Conversamos preliminarmente com colegas de trabalho e eles informaram que aparentemente o médico estava vivenciando mais um dia de plantão. Infelizmente, aconteceu essa tragédia!”, acrescentou.

Eriksson atuava como médico no setor da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Mestre Vitalino. O corpo dele foi encaminhado para o IML.